fbpx

Sobre ser pai, ser mãe e ter uma família!

Adoro escrever textos sobre os filmes que assisto, o mundo da ficção e imaginação pode ser um grande aliado ao nosso desenvolvimento pessoal. E hoje minha dica e meu convite para reflexão e diversão é para todos os tipos de papais, mamães, e principalmente os que ainda desejam vivenciar essa maravilhosa missão de ser pai e mãe. O Filme é “A estranha vida de Timothy Green”.
Ser pai e ser mãe é dar continuidade à vida. Dar continuidade em todos os sentidos, é ver uma misturinha de dois seres humanos, muitas vezes fruto de um grande amor, outras vezes fruto de aventura, mas de todo jeito resultado de um encontro, e todo encontro é sagrado, todo encontro tem uma grande missão na vida. Por felicidade ou infelicidade, algumas pessoas não conseguem tão facilmente realizar o tão desejo de ver sua vida tendo continuidade em outra vida. E assim é a historia do casal do filme.  
“A estranha vida de Timothy Green” conta a história de um casal que sonhava em ter um filho. Um casal lindo, com muito amor, que descobriram que eram estéreis, e que de uma forma natural não poderiam ser pais. Ao enterrarem seus sonhos e desejos de ter uma criança no quintal de sua casa, literalmente enterrarem, eles são surpreendidos com uma criança. Tudo muito irreal, ficção mesmo, mas muito simbólico para nos ajudar a pensar em nossas vidas. Como eu adoro o mundo da imaginação: uma criança nasce de uma caixa de desejos que foi plantada no quintal da casa.
Minha primeira reflexão e aprendizado é sobre a caixinha de desejos, pode parecer bobeira, mas é extremamente importante e útil escrever essa tal lista de desejos, e ter bem claro todos os detalhes de cada desejo e sonho. Escrever é uma tarefa terapêutica importantíssima, pois nos ajuda a organizar nossas ideias, ter clareza dos nossos desejos, e com os desejos e sonhos visíveis e concretos num papel, pode-se reorganizar, apagar, acrescentar, mudar e deixar tudo bem redondinho. (Obs. Por coincidência o filme passa na cidade da fabrica de lápis)
O casal, num gesto simbólico, enterrou os desejos no quintal de casa, e como resultado nasceu um lindo e delicado menino, que se apresentou como Timothy. Na vida real não é bem assim que as crianças nascem, mas sabemos que no mundo da imaginação tudo pode, e podemos aprender muito com essa magia. Fiquei pensando onde os nossos sonhos estão sendo plantados, e se estão sendo regados, adubados e cuidados. Lembrei também do ditado que “Arvore boa dá bons frutos”.
No filme, o garoto possuía todas as características que os pais anotaram na lista de desejos, e além de tudo, de suas pernas cresciam folhas que deixou tudo mais confuso.
O filme mostra diversos valores importantes de família e amizade. Mostra a incrível experiência de construir uma família e de aproveitar cada momento como único, afinal como diz Timothy no fim do filme: “Tudo tem sua hora, e não tem para se fazer”.
Tomothy ensinou aos seus pais que TUDO É POSSIVEL, e acabei aprendendo isso também! Aprendi e quero sentir o sol, como ele fez no filme, quero levar comigo a sinceridade, a honestidade e a inocência de criança.
Algo me intrigou, será que a família que temos, é também a família que inventamos em nossos pensamentos mais inconscientes e desconhecidos?!
Fica o convite e a dica para assistirem o filme!

 

Deixe seu Comentários:

WhatsApp chat